A Caridade segundo Jesus e Kardec, por Cosme Massi

Publicação original de Tribuna Espírita | Maio – Junho de 2018.

Allan Kardec pergunta aos Espíritos, em O Livro dos Espíritos: “886. Qual o verdadeiro sentido da palavra caridade, como a entendia Jesus?” A resposta é: “Benevolência para com todos, indulgência para as imperfeições dos outros, perdão das ofensas.”.

Primeiramente, cabe observar que Kardec indaga sobre o verdadeiro sentido da palavra “caridade” para Jesus. Se ele se restringisse a solicitar apenas o verdadeiro sentido sem fazer referência a Jesus, Kardec cometeria um grave erro. Não há um verdadeiro sentido para nenhuma palavra.

Todas as palavras são polissêmicas. Elas recebem o seu sentido ou significado dos homens que as utilizam durante o processo de comunicação entre eles. É o seu uso pelos homens que dá o significado das palavras. Assim, por exemplo, se você solicitar o significado da palavra “substância” na filosofia, você receberá a seguinte resposta: para qual filósofo você quer saber? Substância para Aristóteles, para Kant ou para Hegel?

Kardec fez muito bem ao pedir o verdadeiro sentido para Jesus. É sobre o uso que esse Espírito puro fez dessa palavra que Kardec deseja saber, pois seu propósito é explicar o pensamento desse Espírito. O Espiritismo, como consolador prometido pelo próprio Cristo, tem como um dos seus objetivos explicar aquilo que Jesus disse e que foi pelos homens mal compreendido ou deformado.

Portanto, nessa pergunta 886, Kardec está simplesmente querendo saber como Jesus empregada a palavra “caridade”.

Na sua resposta, os Espíritos propõem três virtudes: benevolência, indulgência e perdão.

Por que essas três virtudes, benevolência, indulgência e perdão, podem ser usadas para formar o verdadeiro sentido da palavra caridade?

São tantas as virtudes, por que escolher apenas essas três para compor a mais importante de todas as virtudes para o Espiritismo?

Sua importância se evidencia quando lembrado o lema proposta por Kardec: “Fora da caridade não há salvação”. Nenhum Espírito atingirá o estado de Espírito Puro, ou estado de salvação, sem a prática da caridade.

Para buscarmos uma resposta, precisamos explorar outro texto de Kardec:

“Amar o próximo como a si mesmo: fazer pelos outros o que quereríamos que os outros fizessem por nós”, é a expressão mais completa da caridade, porque resume todos os deveres do homem para com o próximo.”

O Evangelho segundo o Espiritismo > Capítulo XI

Esse texto nos dá uma importante pista para a nossa resposta. Se a caridade resume todos os deveres do homem para com o próximo, devemos encontrar uma forma abrangente de representação das faculdades humanas e de seu uso em qualquer contexto de interação social. Se for possível sintetizar todas as faculdades que são empregadas pelo homem na sua vida de relação com o próximo, talvez possamos resumir todos os deveres humanos em alguns poucos que sejam suficientes para uma vida moral plena.

Vários filósofos, na história da filosofia, propuseram formas de representar as faculdades humana em apenas algumas poucas que seriam suficientes para uma visão abrangente e completa do homem como um ser que tem uma vida interior e uma capacidade de interagir como o mundo fora dele.

Podemos pensar o homem a partir dessas duas dimensões: o seu mundo interior e sua abertura para o mundo ou universo que o contém.

Seu mundo interior é a expressão de sua vida mental consciente, de sua capacidade de interagir consigo mesmo, por meios de seus pensamentos.

Sua abertura para o que existe fora de seu mundo mental é a expressão de sua capacidade de perceber e modificar o que existe fora e independente de seus próprios pensamentos, de interagir com o que se encontra fora de sua consciência, com a realidade que o cerca.

Essa abertura ou janela para o exterior permite uma interação de dupla direção ou sentido: do mundo para o homem e do homem para o mundo. Percebo ou sinto o mundo fora de mim e sou por ele modificado. Sou capaz de agir e modifico o mundo fora de mim.

A partir dessas duas dimensões, temos três possíveis formas de interação: a do homem consigo mesmo; a do homem com o mundo fora dele, sendo alterado por esse mundo fora dele; e a do homem com o mundo fora dele, modificando o mundo que o cerca.

Essas três possíveis formas de interação do homem com o mundo que o cerca permitem analisá-lo como um indivíduo essencialmente constituído de três faculdades irredutíveis entre si: a faculdade de pensar, a de sentir e a de querer. (René Descartes, em seu livro Paixões da Alma apresenta essas três faculdades da alma)

Ordinariamente, a referência a essas três faculdades é feita utilizando as expressões razão, sentimento e vontade. (Descartes utiliza as expressões ‘pensamento’, ‘percepção’ e ‘vontade’)

O pensar e o querer são as faculdades ativas do homem, o sentir é a faculdade passiva. Nesse sentido, podemos dizer que o pensar e o querer partem do homem, dependem diretamente de sua vontade. O sentir acontece nele, não depende de sua vontade. A passividade da faculdade sentir é uma decorrência do fato de que o homem simplesmente se percebe “sentindo”.

Podemos caracterizar a atividade e a passividade dessas faculdades pelas expressões ‘exercer uma ação’ e ‘receber uma ação’. Quando o homem pensa, ou quer, exerce uma ação, quando sente, recebe uma ação.

Por meio da razão, o homem raciocina, argumenta, representa, imagina, idealiza, calcula, julga, etc. A ciência, a matemática e a filosofia são seus frutos mais importantes.

Pela vontade, o homem age, decide, realiza, executa uma ação, transformando o mundo e a sociedade continuamente.

Nesse reino da vontade, o homem encontra o dever. O dever é a obrigação moral do homem para consigo e para com o seu semelhante. Com ele, deparamos-nos nas mais diversas situações da vida, desde as mais íntimas, aos atos mais elevados. Como suas mais importantes realizações, temos a ética, a moral, o direito e a política.

Com o sentir, o homem percebe e recebe as impressões do mundo à sua volta e as do seu próprio mundo interior. As sensações físicas, as emoções ou sentimentos são algumas das formas de ser desta faculdade notável. Dela nascem as artes e a estética, a música e a poesia.

Associados a essas três faculdades, temos os mais importantes valores da cultura humana: a verdade, a beleza e a bondade.

As ciências e a filosofia investigam a verdade. A estética e as artes cultuam a beleza. A ética e a política visam ao bem. A história da nossa cultua reflete uma incansável busca desses valores.

No relacionamento do homem com o seu próximo, entram em cena essas três faculdades.

Por intermédio da vontade, o homem age, pratica uma ação para com o seu semelhante.

Por meio da razão, o homem avalia, julga ou analisa o caráter ou a conduta do seu próximo.

Pelo sentimento, o homem recebe a ação do seu próximo.

As leis morais são prescrições na primeira pessoa. Estabelecem como eu devo proceder para com o próximo, que é a ordem do dever moral. E não ao contrário, como o próximo deve agir para comigo.

Ao agir, como deve ser a minha ação para com o próximo?

Ao pensar, julgando ou avaliando o próximo, como devo proceder?

Ao sentir, como devo receber a ação do próximo?

Essas três faculdades, representadas pelas três questões anteriores, de regulamentação moral da conduta do homem no seu relacionamento com o próximo, devem ser consideradas se pretendemos estabelecer todos os deveres do homem para com o seu semelhante.

Como vimos, a caridade sintetiza todos esses deveres. Logo, a caridade deve fornecer respostas para essas três questões. De fato, a caridade, segundo a questão 886 em análise, fornece:

Para a questão “Como deve ser a minha ação para com o próximo?”, a caridade responde: com benevolência.

“Não há quem não possa fazer o bem. Somente o egoísta nunca encontra ensejo de o praticar. Basta que se esteja em relações com outros homens para que se tenha ocasião de fazer o bem, e não há dia da existência que não ofereça, a quem não se ache cego pelo egoísmo, oportunidade de praticá-lo. Porque fazer o bem não consiste, para o homem, apenas em ser caridoso, mas em ser útil, na medida do possível, todas as vezes que o seu concurso venha a ser necessário.” (O Livro dos Espíritos > Parte terceira – Das leis morais > Capítulo I – Da lei divina ou natural > O bem e o mal > 643)

Para responder à questão “Ao pensar, julgando ou avaliando o próximo, como devo proceder?”, a caridade responde: com indulgência.

Sobre a indulgência, o Espírito José acrescenta:

A indulgência jamais se ocupa com os maus atos de outrem, a menos que seja para prestar um serviço; mas, mesmo neste caso, tem o cuidado de os atenuar tanto quanto possível. Não faz observações chocantes, não tem nos lábios censuras; apenas conselhos e, as mais das vezes, velados. Quando criticais, que conseqüência se há de tirar das vossas palavras? A de que não tereis feito o que reprovais, visto que, estais a censurar; que valeis mais do que o culpado. Ó homens! quando será que julgareis os vossos próprios corações, os vossos próprios pensamentos, os vossos próprios atos, sem vos ocupardes com o que fazem vossos irmãos? Quando só tereis olhares severos sobre vós mesmos?”  (O Evangelho segundo o Espiritismo > Capítulo X – Bem-aventurados os que são misericordiosos > Instruções dos Espíritos > A indulgência – item 16)

caridade

E finalmente, para a questão “Como devo receber a ação do próximo?”, a caridade responde: com perdão.

Mas, há duas maneiras bem diferentes de perdoar: há o perdão dos lábios e o perdão do coração. Muitas pessoas dizem, com referência ao seu adversário: “Eu lhe perdôo”, mas, interiormente, alegram-se com o mal que lhe advém, comentando que ele tem o que merece. Quantos não dizem: “Perdôo” e acrescentam: “mas, não me reconciliarei nunca; não quero tornar a vê-lo em toda a minha vida.” (O Evangelho segundo o Espiritismo > Capítulo X – Bem-aventurados os que são misericordiosos > Instruções dos Espíritos > Perdão das ofensas > 15)

Será esse o perdão, segundo o Evangelho? Não, o perdão verdadeiro, o perdão cristão é aquele que lança um véu sobre o passado; esse o único que vos será levado em conta, visto que Deus não se satisfaz com as aparências. (O Evangelho segundo o Espiritismo > Capítulo X – Bem-aventurados os que são misericordiosos > Instruções dos Espíritos > Perdão das ofensas > 15)

Em resumo, a caridade “Benevolência para com todos, indulgência para com as imperfeições dos outros, perdão das ofensas”, sintetiza todos os deveres do homem para com o próximo, pois dá conta de todos os aspectos da interação do homem com o seu próximo.

“A palavra caridade, vós o sabeis, Senhores, tem uma acepção muito extensa. Há caridade em pensamentos, em palavras, em ações; ela não é tão somente a esmola. O homem é caridoso em pensa­mentos sendo indulgente para com as faltas do pró­ximo. A caridade em forma de palavra nada diz que possa prejudicar seu próximo. A caridade em ações assiste seu próximo na medida de suas for­ças…” (Viagem Espírita em 1862 » Discursos pronunciados nas reuniões gerais dos espíritas de Lyon e Bordeaux » Discurso III)

Publicação original de Tribuna Espírita | Maio – Junho de 2018.


Todos os nossos produtos são criados para estudiosos da Filosofia Espírita e baseiam-se nas obras e pensamento de Allan Kardec. Todos os valores arrecadados são destinados ao Instituto IDEAK (Instituto de Divulgação Espírita Allan Kardec).

Este é um projeto: IDEAK | KARDECPEDIA | KARDECPlay